Diagnóstico Final

Carcinoma metaplásico invasivo


Cortes histológicos revelam neoplasia epitelial de mama por vezes esboçando arranjos glanduliformes. As células são acentuadamente pleomórficas. Observam-se numerosas mitoses, típicas e atípicas. Os núcleos são hipercromáticos e exibem irregularidade na forma da membrana nuclear e na distribuição do conteúdo cromatínico. Há anisocariose e cariomegalia, com aumento da relação núcleo-citoplasmática e presença de nucléolo basofílico. Em focos, o estroma apresenta diferenciação condroide.

Discussão

O carcinoma metaplásico engloba um grupo de neoplasias caracterizadas pela diferenciação do epitélio neoplásico em células escamosas e/ou elementos de aparência mesenquimal, incluindo, mas não se restringindo a, células fusiformes, condróides, ósseas e rabdomióides. Essas neoplasias podem ser inteiramente compostas de elementos metaplásicos ou uma mistura complexa de carcinoma e áreas metaplásicas (1). Carcinomas de mama metaplásicos são tumores raros. Embora a incidência precisa seja difícil de estabelecer, 892 carcinomas metaplásicos identificados na National Cancer Data Base corresponderam a 0,24% de 365.464 tumores malignos da mama diagnosticados durante um período de 3 anos (2001 a 2003), comparados com 69,8% de carcinomas ductais invasivos (2). A apresentação clínica inicial de um carcinoma metaplásico é tipicamente uma massa palpável que mostra um crescimento rápido em um curto período de tempo. Lesões grandes podem ser complicadas pela fixação na pele ou parede torácica. A maioria dos tumores é unilateral, porém há relato de um paciente com carcinoma metaplásico bilateral. Secreção mamilar associada é rara (2). A aparência macroscópica dos carcinomas metaplásicos não é distinta, e esses tumores podem ser bem circunscritos ou apresentar uma borda indistinta ou irregular. Alterações degenerativas císticas não são raras, particularmente no carcinoma de células escamosas metaplásico (1). A análise imuno-histoquímica de carcinomas metaplásicos revelou que mais de 90% desses cânceres são negativos para receptor de estrogênio (ER), receptor de progesterona (PR) e HER2 e expressam queratina 5/6 e 14, e EGFR. A identificação da diferenciação epitelial em carcinomas metaplásicos de mama requer o uso de mais de um marcador imuno-histoquímico (1). As metástases linfonodais são significativamente menos freqüentes nos cânceres de mama metaplásicos do que nos carcinomas invasivos, SOE ou em tamanho e grau semelhantes. De um modo semelhante a outros cânceres de mama triplo-negativos, metástases à distância podem ser encontradas na ausência de metástases linfonodais, e afetam preferencialmente o cérebro e os pulmões (1).

Referências

1 - World Health Organization Classification of Tumors of the Breast. 4. ed. IARC press, 2012. 2 – ROSEN, P. Rosen’s Breast Pathology. 4. ed. Filadélfia: Lippincott Williams & Wilkins, 2014.